Tuas conquistas, meus pensamentos...

Tuas são pois, uma vez mais.... 
As recordações, e todos os sentidos...
Quando o brilho passa por meus olhos...
Geralmente é seu sorriso que origina o mesmo...

Tuas são pois, um dia mais...
Todas as poesias, e todas as canções que ouço...
Quando a preocupação passa por minha mente...
Geralmente é sua distância que origina a mesma...

Tua é pois, novamente...
A sinceridade que não seguro diante de ti...
Quando a insegurança passa por meu coração...
Geralmente é sua proximidade que origina a mesma...

Pois pela primeira vez digo não mais... 
Aos medos que crio dentro de mim....
Quando eles me alteram...
Geralmente é por que não te quero longe...

Aqui estou! (digo então)....
Seguro do que estou dizendo...
Quando assim me encontro...
Geralmente me sinto bem comigo mesmo...

Distante deve estar o medo de arriscar...
Longe mantida a insegurança de perder...
Quando sentires isso...
Sempre saiba que não há em mim a chance de deixar isso...

Abandonada lhe deve ser a aparente necessidade...
De gostar de quem não corresponde...
Quando sentires isso...
Leia o verso anterior... e todos outros, para que assim possa escrever mais....

Junto de ti....

Célio de Ávila

7 comentários:

ibagis disse...

belíssimo texto!

bjkssssssssss

Marijleite disse...

Que lindo,Célio!
Que declaração de amor,que romantismo...amei o poema.
Os versos que mais gostei foram:
"Quando o brilho passa por meus olhos...
Geralmente é seu sorriso que origina o mesmo..."

Me lembrei das poesias que lia na época de escola.Você escreve muito bem!

http://petalasdeliberdade.blogspot.com.br/

Marcos Adriano disse...

Maravilhoso texto, parabéns. Excelente Blog.

Bagis Bueno disse...

adorei, bjksssssss

Jefferson Reis disse...

Eu gostaria de acredita no amor.

Felipe Mendes disse...

Muito foda esse poema cara!
Gostei mesmo

Estou seguindo seu blog, segui de volta?
http://blogfapfap.blogspot.com.br/

Guru do Metal disse...

muito bom o texto